Para veres esta reportagem,
gira o telemóvel.

To see this report, hold
your phone in landscape.

O Facebook e o Instagram bloqueiam o formato de visualização desta reportagem.

Acede a www.divergente.pt através da barra de navegação do teu navegador (Chrome, Safari, Firefox, etc.) para poderes ler, ver e ouvir.

You cannot view this report through Facebook and Instagram.

Go directly to the website by typing the address www.divergente.pt directly into your browser (Chrome, Safari, Firefox, etc.) to get the full experience.

Um trabalho DIVERGENTE

A work by DIVERGENTE

Entrar

Enter

Esta é uma reportagem dividida em quatro capítulos, resultado de uma investigação que decorreu entre os anos 2016 e 2021.

Para uma experiência completa, aconselhamos o visionamento no computador e com auscultadores.

Saltar intro
Skip intro

Durante a Guerra Colonial, Portugal recrutou um milhão e

quatrocentos mil militares para combaterem em Moçambique,

Angola e na Guiné.

Um terço destes homens eram africanos, na sua maioria negros.

A Guiné foi a única das três colónias a ter grupos de tropas

especiais constituídos apenas por africanos negros. Foi também o

território onde estes homens foram mais perseguidos depois de

1974. Nesta altura, os comandos africanos tornaram-se alvo de

perseguições, prisões e fuzilamentos.