Para veres esta reportagem,
gira o telemóvel.

To see this report, hold
your phone in landscape.

O Facebook e o Instagram bloqueiam o formato de visualização desta reportagem.

Acede a www.por-ti-portugal.divergente.pt através da barra de navegação do teu navegador (Chrome, Safari, Firefox, etc.) para poderes ler, ver e ouvir esta reportagem.

To see this report, hold
your phone in landscape.

Um trabalho DIVERGENTE

A work by DIVERGENTE

Entrar

Enter

Esta é uma reportagem dividida em quatro capítulos, resultado de uma investigação que decorreu entre os anos 2016 e 2021.

Para uma experiência completa, aconselhamos o visionamento no computador e com auscultadores.

Saltar intro
Skip intro

Durante a Guerra Colonial, Portugal recrutou um milhão e

quatrocentos mil militares para combaterem em Moçambique,

Angola e na Guiné.

Um terço destes homens eram africanos, na sua maioria negros.

A Guiné foi a única das três colónias a ter grupos de tropas

especiais constituídos apenas por africanos negros. Foi também o

território onde estes homens foram mais perseguidos depois de

1974. Nesta altura, os comandos africanos tornaram-se alvo de

perseguições, prisões e fuzilamentos.

Só foi possível Portugal manter-se em África até 1974 porque milhares de africanos foram integrados no Exército. O Estado colonial empurrou estes homens para a tropa, ao mesmo tempo que os aliciava com promessas de uma vida melhor.

Entrar Enter

NOVEMBRO DE 2021

Subscreve a newsletter da DIVERGENTE para te avisarmos quando for publicado.

Subscrever Subscribe

DEZEMBRO DE 2021

Subscreve a newsletter da DIVERGENTE para te avisarmos quando for publicado.

Subscrever Subscribe

JANEIRO DE 2022

Subscreve a newsletter da DIVERGENTE para te avisarmos quando for publicado.

Subscrever Subscribe